replica rolex rolex is still the best choice inside of the global watch market sector.
diamond painting made in usa.

what companies are selling legit cheap sex doll?

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Quarks e as novas conexões do quebra-cabeça hadrônico

  • Publicado: Quarta, 03 de Agosto de 2022, 19h59
  • Última atualização em Quarta, 03 de Agosto de 2022, 19h59
  • Acessos: 18

A convite do Núcleo de Comunicação Social, André Massafferri, pesquisador da Coordenação de Física de Altas Energias do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (COHEP/CBPF), no Rio de Janeiro (RJ), fala sobre as recentes descobertas de um pentaquark e dois tetraquarks, divulgadas pelo experimento Large Hadron Collider beauty (LHCb)

 

Recentemente, o LHCb, um dos grandes experimentos instalados no acelerador de partículas LHC, na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), anunciou a observação de um estado pentaquark e dois tetraquarks, feito de grande importância para a física de partículas, em uma área denominada física hadrônica. Esta área estuda os hádrons, estruturas da natureza que sofrem a ação da interação forte, força responsável pela coesão do núcleo atômico. Mas de que os hádrons são feitos?

 

Quarks

Nas décadas de 1950 e 1960, experimentos envolvendo aceleradores de partículas e raios cósmicos observaram uma enorme quantidade de hádrons. Em 1964, os físicos estadunidenses Murray Gell-Mann (1929-2019) e George Zweig propuseram reorganizar esses hádrons em função de quantidades com carga elétrica fracionária: os quarks.

Suas diferentes combinações eram capazes de representar todos os hádrons conhecidos, utilizando arranjos contendo três quarks (bárions) – como prótons e nêutrons –, e arranjos com dois quarks (mais precisamente, de um quark com um antiquark – os mésons). Entretanto, também permitiam configurações mais “exóticas”, com número maior de quarks, como tetraquarks e pentaquarks.

Com o passar do tempo, os dados experimentais confirmaram que os quarks não eram apenas uma representação matemática, e sim uma realidade física – a matéria-prima dos hádrons.

 

Cromodinâmica Quântica

Os modelos teóricos utilizados para a descrição da interação forte seguiram o mesmo caminho utilizado na descrição da interação eletromagnética, ainda que a anterior tratasse de processos muito mais intensos e de curto alcance. Enquanto no eletromagnetismo, o atributo essencial era a carga elétrica – cuja interação tinha o fóton (sem carga elétrica) como propagador – a interação forte requer três tipos de "cargas", denominadas cargas de cor, em analogia as três cores primárias – red(R), blue(B), green(G). Na interação forte, os propagadores desta interação, responsáveis pela ligação entre quarks são denominados glúons. Estes têm a peculiaridade de apresentarem “carga de cor”; portanto, também estão sujeitos à própria interação que eles propagam.  Essas características resultaram em uma teoria consistente, denominada Cromodinâmica Quântica (QCD, na sigla em inglês), que explicou o fato dos quarks não poderem ser observados livres na Natureza.

Hoje sabemos que os hádrons são formados por composições de quarks, dentre os seis conhecidos – up(u), down(d), strange(s), charm(c), bottom(b) e top(t) – e de glúons, que mantém os quarks ligados fortemente na forma de hádrons, numa combinação neutra de cor. Como exemplo, o próton, de composição uud, tem necessariamente que possuir cores distintas em cada um dos seus três quarks para ser neutro de cor. Da mesma forma, o píon, ud(bar) – importante méson descoberto pelo físico e fundador do CBPF Cesar Lattes (1924-2005) em 1947 – pode ter quaisquer das três combinações quark/antiquark RR(bar), BB(bar) e GG(bar).

 

Os primeiros hádrons exóticos e suas interpretações

Demorou 50 anos, desde a proposta inicial dos quarks, para os físicos obterem evidências experimentais da existência de tetra e pentaquarks. Em 2014, o experimento LHCb anunciou a observação do primeiro tetraquark e em 2015 relatou evidências fortes de dois pentaquarks, ambos como estados intermediários de decaimentos de mésons contendo o quark b, sua especialidade. Nos últimos 10 anos, mais de 60 hádrons foram descobertos, 59 no experimento LHCb, destes, 16 são considerados exóticos. À medida que a hipótese dos hádrons exóticos vai se confirmando, os esforços dos cientistas vão se concentrando na procura dos estados previstos teoricamente, mas ainda não observados experimentalmente, e na busca de mais detalhes sobre sua natureza.

Segundo a QCD, em princípio, tetraquarks e pentaquarks poderiam formar, cada um, dois subsistemas de cor neutra. Em contraste com a ideia de quarks que se atrairiam fortemente, esse fato suscita a ideia de um modelo “molecular”, em referência à ligação elétrica residual entre átomos neutros na formação de moléculas. Nesta interpretação, hádrons exóticos seriam organizados como pares méson/méson, no caso dos tetraquarks, e bárion/méson, no caso dos pentaquarks, que se atraem mutuamente trocando estruturas de cores neutras, uma ideia proposta pela primeira vez em 1935 pelo físico japonês Hideki Yukawa (1907-1981) para explicar a atração entre prótons e nêutrons dentro do núcleo atômico. Espera-se, portanto, que os “hádrons exóticos moleculares” sejam apenas fracamente ligados e tendam a possuir configurações mais simples, como as encontradas em ressonâncias escalares.

 

Novidades do LHCb

O experimento LHCb anunciou recentemente fortes indicações da observação do primeiro pentaquark contendo o quark s, batizado de PΨs0 (composto pelos quarks c cbar u d s). Para esta observação foi utilizada a técnica de Dalitz Plot, muito empregada pelo grupo de sabores pesados do CBPF, que analisa o que os físicos de partículas chamam de “espaço-de-fase” do decaimento – conjunto de possibilidades para as velocidades das partículas do estado-final, ou configurações cinemáticas permitidas, tendo em vista a energia disponível no processo, dada pela massa da partícula inicial.

Esta técnica explora o fato de que a dinâmica de decaimentos de três corpos provenientes de hádrons sem spin pode ser diretamente estudada a partir das não uniformidades em seu espaço-de-fase. A massa medida para o PΨs0 – de 4,338 GeV – sugere uma interpretação molecular de pouca energia de ligação interna, já que é levemente superior à soma das massas das partículas charmosas de mesma composição de quarks, Ξc(udc) e D−(cbar d).

 

 

Representação artística da dinâmica de decaimento e espaço-de-fase 
Créditos: NCS/CBPF.

Outro trabalho recente do experimento LHCb foi a publicação de dois tetraquarks, Tcs(2900) neutro e Tcs(2900)++, parceiros do ponto de vista dos grupos de simetria. Para a medição a mesma técnica de Dalitz Plot descrita acima foi aplicada aos decaimentos B0 em D0 Ds+ pi- e B+ em D- Ds+ pi+. Se confirmado em outros processos, esse será o primeiro tetraquark duplamente carregado observado.

Essas novas descobertas indicam que o quebra-cabeça da física hadrônica segue continuamente sendo montado, comprovando antigas e boas ideias.

Espectro de massa de J/Ψ Λ no decaimento B+ em J/Ψ Λ próton. A estrutura pentaquark fica evidente, em rosa, como um aumento do número de eventos em alta massa.

 

Projeções de massa no espectro de massa D+s π− e Ds+ π+ antes de inserção das novas componentes tetraquarks. Em azul é ressaltada a região mal representada pelo modelo sem tetraquarks.

Projeções de massa no espectro de massa D+s π− e Ds+ π+ depois da inserção das novas componentes tetraquarks no modelo de ajuste.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página