replica rolex rolex is still the best choice inside of the global watch market sector.
diamond painting made in usa.

what companies are selling legit cheap sex doll?

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Pesquisadores do CBPF e UNICAMP desenvolvem um chip quântico supercondutor

  • Publicado: Terça, 22 de Fevereiro de 2022, 17h49
  • Última atualização em Terça, 22 de Fevereiro de 2022, 17h49
  • Acessos: 626

 

Um chip quântico supercondutor foi desenvolvido por pesquisadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). O CBPF conta com importante apoio da Petrobras e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), por meio do Programa Cientista do Nosso Estado. Já o grupo do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW) da Unicamp recebe apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Os computadores quânticos estão no topo da agenda científico-tecnológica dos países desenvolvidos que, juntos, investiram no ano de 2020 mais de US$ 20 bilhões no desenvolvimento de tecnologias quânticas. Por este motivo, ao longo da última década, importantes progressos foram alcançados no desenvolvimento de bits quânticos (q-bits) supercondutores, como uma arquitetura escalável para o processamento de informação quântica. Devido a estes avanços, empresas como as norte-americanas IBM, Google e Rigetti, bem como a canadense D-Wave, apostam na tecnologia de circuitos supercondutores para a fabricação de chips de computadores quânticos.

 

O computador quântico

O computador, seja ele clássico ou quântico, é um objeto físico, portanto sujeito às leis da Física. Para entender melhor a computação quântica é interessante saber a diferença elementar em relação à computação clássica.

O computador clássico, usado no dia-a-dia, manipula unidades de processamento que são os bits, um conceito matemático que assume o valor zero (0) ou o valor um (1). Dentro do computador, fisicamente, o que representa o bit é o transistor, um elemento de circuito que, quando tem uma corrente passando por ele, representa o bit um e, quando não tem corrente, representa o bit zero.

Quando se opera um computador clássico, uma imagem por exemplo, a informação desta imagem está gravada numa sequência de zeros e uns e, portanto, por um conjunto de transistores que estão no chip, na central de processamento do computador. Quando a imagem se desloca de uma posição para outra, significa que esses zeros e uns estão mudando, ou seja, onde era zero passa a ser um e onde era um passa a ser zero. Isto só pode acontecer em sequência, porque no bit clássico, que é representado por esta corrente do transistor, os valores zero e um são mutuamente excludentes, isto é, ou é zero ou é um.

O computador quântico é diferente porque ele explora fenômenos quânticos. No mundo quântico os objetos podem estar em dois lugares ao mesmo tempo, o estado físico deles é tal que isto acontece fisicamente. Não entendemos este processo porque vivemos numa escala em que não se consegue perceber, mas no mundo dos objetos quânticos é possível; na verdade, é um fenômeno comum. O fato de não conseguirmos entender não quer dizer que não exista.

Os q-bits, que são as unidades de informação quântica, representados fisicamente pelos “transistores quânticos” permitem que um computador quântico seja capaz de operar os dois valores lógicos zero e um simultaneamente, ou seja, é como se tivesse corrente passando e ao mesmo tempo não passando. Isto quer dizer que, se houver mil desses transistores quânticos funcionando, pode-se operar com todas as combinações possíveis de zeros e uns ao mesmo tempo e não sequencialmente.

A principal diferença entre os dois tipos de computadores é que o computador clássico funciona sequencialmente no tempo e opera com uma informação de cada vez. Já no computador quântico tudo é simultâneo, ele opera com toda a informação possível ao mesmo tempo, é uma maneira diferente de processar. Isto confere uma espécie de paralelismo colossal de processamento da informação no computador quântico.

 

O impacto do computador quântico na sociedade

 

Com o computador quântico conseguiremos fazer coisas que são impossíveis de serem feitas hoje: desenvolvimento de novos fármacos, produtos químicos, novos materiais, soluções para problemas de matemática e de engenharia que ainda não se conhece.

Uma das aplicações mais importantes que se antevê para a computação quântica é a produção de novos fármacos. A possibilidade de simulações de reações químicas complexas em um computador quântico será fundamental para a pesquisa e produção de novos fármacos. Será uma engenharia de fármacos baseada nos mecanismos mais elementares da natureza, que são as reações químicas. Ao calcular estas reações se obtém o desenho de um fármaco. Caso tivéssemos um computador quântico funcionando plenamente em dezembro de 2019, possivelmente em janeiro de 2020 já teríamos uma vacina contra a Covid-19.

 

A importância de desenvolver um chip quântico

O chip quântico desenvolvido pela primeira vez no Brasil por essa parceria entre CBPF e UNICAMP é o dispositivo físico que permite que o q-bit opere com zero e um ao mesmo tempo. Aprender e entender como esta tecnologia funciona é estratégico, pois quando o computador quântico se concretizar na sua plenitude e começar a resolver problemas industriais, terá um impacto imensamente grande na sociedade.

Será parecido com o que aconteceu com o domínio da energia nuclear. Dentre os países que têm o controle da energia nuclear hoje, o Brasil é um que teve que aprender a fazer. É necessário adquirir a habilidade tecnológica, do contrário o país se tornará dependente de outras nações tendo que comprar o serviço ou ainda se não comprar ficará obsoleto.

Há cerca de dois anos, pesquisadores do CBPF e do IFGW da UNICAMP se juntaram com o objetivo de desenvolver esta tecnologia e fabricar dispositivos quânticos supercondutores no Brasil. Apesar das grandes dificuldades trazidas pela pandemia do coronavírus, o grupo obteve neste início de 2022 os primeiros resultados promissores. Um exemplo de estrutura fabricada pelo grupo é mostrado na figura abaixo, destacando a junção Josephson dentro da cavidade supercondutora.

 

Imagem de um q-bit do tipo Transmon e cavidade supercondutora, fabricados nos laboratórios do IFGW e do CBPF, utilizando filmes de nióbio e junções Josephson de alumínio. A figura da esquerda mostra a estrutura completa, da cavidade e do q-bit. Detalhes do q-bit são mostrados nas amplificações da direita. A junção Josephson construída dentro da cavidade é mostrada na figura de baixo do lado direito.

 

 

 

Nestes sistemas, os circuitos de controle e medida são feitos utilizando materiais supercondutores como nióbio, e os q-bits são fabricados a partir de junções Josephson de alumínio.  Estes elementos são construídos a partir de técnicas de micro e nanofabricação similares àquelas utilizadas para micro e nanoeletrônica de chips semicondutores.

Como as características quânticas de interesse para computação e informação quântica nestes sistemas só aparecem em condições muito especiais, estes dispositivos precisam ser resfriados a temperaturas extremamente baixas e mantidos em um ambiente ultrabaixo de ruído eletromagnético. Por isso, estes sistemas são operados em temperaturas de mili-Kelvin (~20mK), em um equipamento blindado ao ruído eletromagnético.

Além disso, técnicas especiais de medidas em circuitos na faixa de micro-ondas e radiofrequência em temperaturas criogênicas (temperaturas muito baixas) são utilizadas para manipular os q-bits. O dispositivo está para um computador quântico assim como o transistor está para um computador usual.

Até o final do ano de 2022, o grupo almeja o domínio desta tecnologia de fabricação de chips quânticos, bem como a demonstração da execução de algoritmos quânticos nos mesmos.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página