replica rolex rolex is still the best choice inside of the global watch market sector.
diamond painting made in usa.

what companies are selling legit cheap sex doll?

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Tiomno, 100: CBPF traz ensaio e entrevista

  • Publicado: Quinta, 16 de Abril de 2020, 15h58
  • Última atualização em Quinta, 16 de Abril de 2020, 19h06
  • Acessos: 1453

A convite do Núcleo de Comunicação Social do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), no Rio de Janeiro (RJ), o historiador da ciência Antonio Augusto Passos Videira, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), escreveu, para a seção ‘Memória por imagem’, ensaio sobre o centenário de nascimento de Jayme Tiomno (1920-2011), um dos fundadores do CBPF e pesquisador emérito pela instituição.

Complementa este material, entrevista exclusiva com o físico teórico Nicim Zagury, professor emérito do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IF-UFRJ), que fala, entre outras coisas, de como conheceu Tiomno e do legado de seu ex-professor de graduação, do qual se tornou assistente e colaborador nas décadas seguintes.

 

Jayme Tiomno: “Genialidade é trabalho”

Em 1980, por ocasião das comemorações pelo 60º aniversário de Jayme Tiomno, seu ex-aluno e colaborador Antonio Luciano Leite Videira (1935-2018), em discurso escrito para homenageá-lo, recordou para a plateia que seu antigo professor nunca, ao longo de sua longa e rica carreira, abriu mão da seguinte máxima: “Ciência se aprende fazendo ciência!” -- ou seja, genialidade brota do trabalho. A alusão a essa afirmação sintetizava a característica mais marcante de Tiomno: um interesse enorme pela pesquisa da natureza.

O interesse de Tiomno pela pesquisa remonta aos anos de adolescência, quando estudante de ginásio. À época, sua predileção era pelas ciências biológicas, o que o levou – dividido entre ela e a física, que descobrira mais tarde no científico – a optar pela medicina, que acabou por ser sua opção no vestibular realizado na segunda metade da década de 1930. A decisão pela medicina não duraria muito tempo. Em pouco tempo, a física seria sua única paixão científica.

Nascido em 16 de abril de 1920, no Rio de Janeiro, mesma cidade onde atuou grande parte de sua vida, Tiomno formou-se em física pela antiga Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi), então Universidade do Brasil (hoje, UFRJ), na mesma turma em que estavam Elisa Frota-Pessôa (1921-2018) e José Leite Lopes (1918-2006). Elisa seria sua mulher por mais de 50 anos.

 

Tese nos EUA

Na década de 1940, Tiomno e Elisa foram assistentes de Joaquim da Costa Ribeiro (1906-1960) e já procuravam, então, mudar a estrutura da FNFi, para que a pesquisa fosse ali realidade. Tiomno chegou a publicar artigos na revista da faculdade, mantida pelo corpo discente. Na segunda metade da década de 1940, transfere-se para a Universidade de São Paulo (USP), onde se tornou assistente do ítalo-russo Gleb Wataghin (1899-1986), colaborando com os teóricos Mário Schenberg (1916-1990) e Leite Lopes.

 

Tiomno, ladeado por seus assistentes, Videira (esq.) e Zagury, no anúncio de nova partícula

(Crédito: NIB/CBPF)

 

No início de 1948, Tiomno, que pretendia dirigir-se a Córdoba (Argentina) para trabalhar com Guido Beck (1903-1988), recebeu uma bolsa de estudos do governo norte-americano para se doutorar pela Universidade de Princeton. Sua primeira opção para orientá-lo foi John Wheeler (1911-2008), com quem escreveu dois trabalhos que fizeram época na física de partículas elementares: ‘Charge exchange reaction of the m-meson with the nucleus’, Reviews of Modern Physics. v. 21, p. 153-165 (1949) e ‘Energy spectrum from m-meson decay’, Reviews of Modern Physics. v. 21, p. 144-152 (1949).

O físico norte-americano acabou substituído por Eugene Wigner (1902-1998) – Nobel de Física de 1963 –, que o orientaria em uma tese sobre neutrinos.

 

Regresso ao país

De regresso ao Brasil, logo após o término do doutorado, Tiomno somente sairia do país para estágios de pesquisa, participações em congressos – participou assiduamente das famosos Conferências de Rochester (EUA) – ou quando não mais pôde mais continuar aqui. Em abril de 1969, Tiomno, juntamente com outros cinco físicos (entre os quais, Elisa Frota-Pessôa), foi cassado pelo AI-5.

Tiomno trabalhou sempre no Rio de Janeiro, com a exceção de: i) dois períodos na USP (1947-1951), com o interstício do seu doutorado nos EUA; ii) na UNB (1964-1965), para onde se dirigiu, atraído pelo sonho de criar uma universidade moderna; iii) uma segunda vez, em Princeton, para onde foi após a cassação.

No Rio de Janeiro, suas atividades se desenvolveram na FNFi, no CBPF – do qual é um dos fundadores – e na PUC-Rio, que o abrigou após seu retorno da sua segunda estada em Princeton, onde ficou até 1980, quando reingressou no CBPF.

Entre as muitas distinções que recebeu, merece destaque o Prêmio Moinho Santista, concedido em 1957 por suas contribuições à física de partículas elementares. À época, Tiomno procurava encontrar um grupo de simetria capaz de organizar o então ‘desconjuntado’ universo das partículas.

 

Nova partícula

Em 1960, Tiomno, auxiliado por Videira e Nicim Zagury (veja entrevista abaixo), propôs a existência de uma nova ressonância bariônica, o méson K’. Sua descoberta foi amplamente divulgada pelos principais jornais e revistas cariocas. Para além de dar a conhecer um resultado certamente importante, outro objetivo dessa propaganda foi tentar conseguir recursos para reforçar os combalidos cofres do CBPF. A divulgação acabou por não angariar as necessárias verbas – tal como hoje, a ciência nacional era pouco apoiada pelos governos.

 

Fac-símile do cabeçalho do artigo sobre o méson K’ na PRL (1960)

(Crédito: PRL)

 

Além da área de partículas elementares, Tiomno também produziu inúmeros trabalhos em relatividade geral, cosmologia e buracos negros. Seu interesse pelo ensino levou-o a reformular o modo pelo qual a física básica era introduzida nos primeiros anos na FNFi, além de traduzir um livro texto com a ajuda de Leite Lopes. Em 1963, foi um dos organizadores de um encontro internacional voltado para a discussão dos problemas do ensino de física.

Tiomno sempre lutou de forma incansável para que a ciência fosse pujante, fecunda e disseminada no Brasil. Seu empenho foi tamanho que, nos últimos anos de vida, acabou por sofrer, por períodos, de depressão, que o afastava da física.

Em um país que ainda valoriza pouco a ciência e o conhecimento – onde seus mais importantes dignitários se comportam como se a verdade fosse algo menor –, a pessoa e a obra de Jayme Tiomno (1920-2011) devem ser lembradas e comemoradas, nem que seja para nos fazer crer que somos capazes de realizar coisas bonitas, relevantes e verdadeiras, em toda e qualquer área. Que seu exemplo nos dê forças para superar os tristes dias que vivemos! 

 

Antonio Augusto Passos Videira

Departamento de Filosofia,

Universidade do Estado do Rio de Janeiro e

Pesquisador colaborador do CBPF

 

ENTREVISTA

Nicim Zagury

 

Nicim Zagury é professor emérito do IF-UFRJ. Fez seu mestrado e doutorado na Universidade da Califórnia, no início da década de 1960. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências e comendador da Ordem do Mérito Científico. Trabalhou nas áreas de partículas elementares, magnetismo e física estatística. Atualmente, dedica-se à pesquisa em óptica quântica e informação quântica.

 

O físico Nicim Zagury

(Crédito:IF-UFRJ)

 

 

Quando e como o senhor conheceu Jayme Tiomno? Como aconteceu de ir trabalhar com ele?

Conheci o professor Tiomno em 1956, quando fui à sua residência, juntamente com Jorge André Swieca [1936-1980] e Antonio Luciano Leite Videira [1935-2018], convidado pela professora Elisa Frota-Pessôa [1921-2018], esposa dele, a qual nos ministrava as disciplinas de física geral I e II.

Em 1957, Tiomno foi meu professor de eletromagnetismo no curso de física da antiga Faculdade Nacional de Filosofia, da [então] Universidade do Brasil [hoje, UFRJ]. Esse curso era ministrado no CBPF, que, à época, tinha mandato universitário. Terminei meu curso de graduação em dezembro de 1958 e fui contratado, juntamente com Videira, como professor assistente no CBPF.

Em meados de 1960, Tiomno sugeriu-nos que os dados experimentais da reação π- + p —> lambda + K0 [méson pi negativo + próton —> lambda + méson K neutro] poderiam ser explicados pela troca de um possível méson K’, não observado à época. A análise foi feita enquanto Tiomno estava no exterior. Ao retornar de lá, ele ficou entusiasmado com os resultados da determinação aproximada da massa do méson K’ e levou ao conhecimento da comunidade científica na Conferência de Rochester [EUA] em 1960.

Tiomno, apesar de ter tido a ideia inicial, ousada à época, sempre deu muito crédito pela nossa participação nesse trabalho. 

 

Como era trabalhar com ele? Como era ele como orientador e colaborador?

O trabalho com Tiomno sempre foi muito instrutivo e agradável. Ele orientou-nos a fazer doutoramento no exterior, já que, à época, não havia cursos de pós-graduação funcionando no Brasil.

 

O senhor conviveu com Tiomno em dois períodos diferentes. No CBPF, entre fins da década de 1950 e início da seguinte, e na PUC-Rio, entre 1973 e 1980. Houve diferença na maneira e no entusiasmo com que ele dedicava à física?

Tiomno sempre foi um entusiasta da física. Sempre aparecia com novas ideias e se dedicava com afinco para demonstrar sua validade. Não acho que houve mudança em seu entusiasmo pela pesquisa.

 

Em sua opinião, qual foi o maior legado científico de Tiomno?

Vou me limitar aos trabalhos sobre partículas experimentais. Eu citaria suas contribuições extremamente importantes na proposta da universalidade das chamadas 'interações fracas'.

registrado em:
Fim do conteúdo da página